setembro 08, 2005

Remédio para Partes Íntimas

Diz uma lenda antiga, contada por Dany, que na corte do rei Akbar, havia um alto funcionário de nome Amit.
Havia muito tempo que Amit nutria um desejo incontrolável de sugar os voluptuosos seios da rainha, até que se fartasse. Sonhava, delirava mesmo com isso e chegou a parecer tão doente que seu amigo, Birbal, conselheiro, feiticeiro e advogado do rei lhe perguntou o que sucedia. Amit lhe contou então o desejo e pediu que Birbal fizesse algo para ajudá-lo. Depois de avaliar muito, Birbal concordou, mas na condição de Amit lhe pagar mil moedas de ouro assim que consumasse seu desejo. Amit aceitou o acordo.
No dia seguinte, Birbal preparou um líquido que causava comichões e derramou-o no corpete da rainha, enquanto ela tomava banho. Logo a coceira começou nos seios da rainha e foi aumentando de intensidade. O rei chamou diversos médicos da região, mas nada aliviava a coceira. Consultou então o rei Akbar a Birbal e este lhe disse tratar-se de doença rara que só um tipo de saliva, aplicada diretamente da boca por pelo menos quatro horas, curaria o mal. O rei Akbar ficou feliz que houvesse essa possibilidade e perguntou a Birbal quem teria esse tipo de saliva: alguma cortesã, alguma dama de leite? Não, respondeu Birbal, o único que ele conhecia que tinha um Mapa Astral propício para aquilo era Amit, funcionário da corte. O rei Akbar autorizou o tratamento. Assim, após receber de Birbal um antídoto, por quatro horas seguidas, Amit fartou-se chupando os seios deliciosos da rainha. Satisfeito, retirou-se. Birbal, então, procurou o amigo cobrando o acordo feito, mas, Amit se recusou a pagar o feiticeiro e advogado e, ainda por cima, o escorraçou zombando. Amit sabia, naturalmente, que Birbal nunca poderia contar o fato ao rei. Mas Amit havia subestimado o advogado feiticeiro. No dia seguinte, Birbal colocou o mesmo líquido na cueca do rei.

Um Homem Rico

Um homem rico veio até o Rabi Mekoznitz.
“O que você come todos os dias?”, perguntou-lhe o rabi.
“Eu como muito pouco. Como apenas pão com sal e bebo água.
É o suficiente para mim”, respondeu o homem.
“A partir de agora, você deverá comer todos os dias carne de primeira e beber vinho caro, igual a todos os ricos”, disse o rabi.
Após o homem rico ter ido embora, perguntaram os hassidim ao rabi o porquê de ele ter falado daquela forma com o rico.
Respondeu o rabi: “Ele precisa comer carne de primeira e vinho caro, a fim de entender que o pobre precisa de pão.
Quando um homem rico come apenas pão, ele pensa que os pobres podem comer pedras”.